terça-feira, janeiro 10, 2006

Os sonhos da manhã

Não costumo ter grande recordação daquilo que sonho. Geralmente é necessária a presença de certas e determinadas variáveis: tenho de acordar do sonho de forma abrupta, descrever por palavras os acontecimentos mais importantes e não voltar a adormecer. Hoje de manhã tive um sonho estranho que não sei muito bem se diz alguma coisa acerca da minha pessoa, mas se calhar até gostava que não dissesse.

A memória está um bocado confusa mas a linha contínua da descrição que fiz quando acordei tem um tema prevalecente: o diabo. Mais especificamente, enfrentar o diabo. Dentro de um quarto escuro, onde um mulher deitada numa cama me fazia estranhos sinais dos quais eu não percebia nada, eu olhava entretida para um homem e uma mulher a discutir sobre um assunto que não me lembro. A mulher dos sinais, uma acamada "maluquinha" farta-se da minha falta de compreensão e arranca-me um saco de gomas verdes das mãos que eu ia começar a saborear e enfia umas quantas à boca. Começa com estranhos movimentos corporais e aparecem-lhe deformações de cor verde luminosa na cara. Arrasta-se até um cofre antigo que se encontrava no chão de uma sala contígua e retira de lá umas gomas vermelhas que enfia novamente na boca e que aparentemente param a transformação permitindo que voltasse ao normal. As primeiras palavras que diz são Foi por pouco. Depois começa a explicar que já antes tinha enfrentado o diabo e era assim que ele conseguia seguidores, com as gomas verdes, sendo as gomas vermelhas a única protecção possível. Mais ou menos nesta altura, e sorrateiramente, resolvi tirar as gomas verdes que tinha na boca...

Se alguém souber o que isto quer dizer...

2 Comments:

At 11:22 da tarde, Blogger Diana said...

Não te lembras é pouco dos sonhos...

 
At 11:51 da tarde, Blogger Adriana said...

pode-se dizer q este marcou-me...

 

Enviar um comentário

<< Home