terça-feira, março 28, 2006

É lógico, mas não deveria fazer sentido

Pela única razão de tentar compreender o porquê da existência de certos programas televisivos, parei o zapping na tvi enquanto estavam a dar as notícias diárias do Circo das Celebridades. Escusado será dizer que não ficou lá muito tempo. De resto lembrei-me do filme que deu ontem de madrugada nesse mesmo canal, EdTV, e associei a exploração abusiva para além de limites racionais de programas e o seu final desastroso quando já mais ninguém os aguenta, mesmo. O problema é que parece-me que há sempre alguém que aguenta. De resto veio-me à memória uma entrevista ao director da programação da tvi (julgo eu) em que o questionavam sobre as decisões relativas ao horário de determinadas séries, nomeadamente, as que passam para além da uma da manhã. A resposta, resumidamente, apontava como principais razões a decisão de valorizar a produção nacional e arrastar para horários insónicos programas que seriam praticamente de visionamento exclusivo de uma faixa etária mais jovem e que fica, portanto, acordada até mais tarde. É bastante lógico. O que não é nada lógico é que a minha mãe, com os seus 51 anos, faz parte da população que aprecia algumas das séries tardias da tvi e que não as vê porque se deita às 21h da noite. E mais, também não fica três horas acordada a ver o desfile de novelas que começava depois do telejornal, mas que agora tem de esperar pelo Circo de Celebridades. Pois, são as audiências, não são?